Cirurgia Plastica: Implante de silicone

A cirurgia de inclusão de Implantar de silicone;também chamada de mamoplastia de aumento, é um procedimento cirúrgico que tem como objetivo aumentar o volume das mamas e oferecer um melhor contorno, firmeza e harmonia para os seios através da inclusão de prótese de silicone.

A cirurgia é indicada para pacientes que buscam crescer o tamanho das mamas. O implante de silicone também é recomendado para casos em que houve o comprometimento da sustentar e firmeza das mamas, como as mulheres cuja perda de peso ou gravidez alteraram o formato dos seios. Mulheres que tenham desigualdade entre as mamas também podem ser favorecidas por esta cirurgia.


    Não existe uma restrição de idade mínimo para realizar a cirurgia, mas, se a paciente for jovem, o desenvolvimento das suas mamas deve estar completo, pacientes jovens podem ser liberadas pelo médico para realizar a cirurgia e ter o apoio dos pais ou representantes legais;

A paciente deve ser emocionalmente madura e possuir um claro entendimento das intenções que a motivaram a procurar pela cirurgia. É importante estar segura da decisão, pois uma cirurgia plástica apresenta transformações no corpo que muitas vezes são irreversíveis;



As expectativas devem ser realistas: o procedimento pode melhorar significativamente a sua visual mas não é capaz de atingir a perfeição.

Doenças imunológicas como artrite reumatoide, esclerodermia, lúpus ou doenças clínicas graves podem contraindicar a execução do procedimento. Isto porque o estresse cirúrgico pode crescer a oportunidade de piora da doença de base.

A a presença vírus HIV apresenta uma contraindicação relativa, já que deve-se evitar qualquer evento capaz de descompensar o sistema imunológico.

Histórico familiar de câncer de mama precisa ser analisado individualmente e permitido pelo mastologista para a realização da cirurgia.

As medidas do tórax da paciente, o gosto do paciente, além do resultado e formato da prótese influenciam na escolha do tamanho do implante de silicone. Assim, tórax grandes suportam maiores volumes, enquanto grandes volumes podem prejudicar  a estabilidade e alinhamento corporal de tórax pequenos.

Um teste que pode ser feito para determinar o tamanho da prótese é provar diferentes próteses com sutiã ou lançar mão de programas simuladores de imagem. Neste caso, são tiradas fotos do paciente e, com recursos de imagem, é possível simulação o resultado visual de diferentes próteses.



A técnica cirúrgica empregada depende

fundamentalmente de uma discussão cuidadosa entre médico e paciente. Além do tipo de prótese de silicone, devem ser escolhidos a loja anatômica – local onde ficará alojada a prótese nas mamas – e o local da incisão – local por onde será colocada a prótese e ficará a cicatriz.

A prótese de silicone pode ser posicionada em três regiões diferentes: entre o tecido mamário e o músculo peitoral (submamária ou subglandular), entre a fáscia do músculo peitoral e o músculo peitoral (posição subfascial), que são regiões mais aparentes ou entre o músculo peitoral e a parede torácica (posição submuscular), que posiciona a prótese numa região mais detalhada e profunda

A escolha da posição é determinada da espessura da pele e da quantidade de tecido mamário disponível para cobrir o implante, além da opinião da paciente em termos dos benefícios e riscos de cada abordagem.

Na hora de decisão pelo local em que será posicionada a prótese – que pode ser entre o tecido mamário e o músculo peitoral, por baixo da glândula mamária, ou entre a fáscia do músculo peitoral e o músculo peitoral – os fundamentais prós e contras apresentados ao paciente.



Posições submamária e subfascial Existe a teoria não confirmada de ocorrer uma oportunidade menor de de distorição da mama, pois não ocorre o deslocamento do implante com a contração muscular, ou seja, as chances de um resultado estético satisfatório aumentam significativamente. O pós-operatório pode ser mais confortável e com retorno mais rápido à rotina natural. porque o trauma muscular provocado pela manipulação cirúrgica é muito menor. Porém, é necessário ter um espessura de pele apropriada para cobrir o implante, já que, caso contrário, as bordas podem ficar visíveis e/ou palpáveis.

Posição submuscular As bordas da prótese ficam menos aparentes, embora isto não seja assegurado Quando igualado ao posicionamento submamário, o risco de contratura capsular – uma complicação comum deste tipo de cirurgia – é menor. A realização da mamografia é menos dolorosa pois o implante está protegido pelo músculo peitoral. Por não estarem em contato direto com a glândula, as próteses submusculares produzem pouca influência na amamentação. As próteses sofrem menos ação da gravidade e com o passar do tento terão menor queda.

Pode ser indicada para mulheres que têm pouco tecido glandular e são muito magras e em casos de risco de doença da mama, pois facilita o exame de biópsia. Atualmente, pode-se tentar usar a lipoenxertia para camuflar a transição do implante e da pele, mais especialmente na parte superior da protese onde a pele é mais fina. A contração do músculo peitoral no período pós operatório pode deslocar o Implantar para os lados, distorcendo a visual da mama de forma imprevisível. A dor no período pós-operatório pode ser mais intensa por causa da distensão dos músculos que é provocada pela cirurgia. O tempo de cirurgia é mais extenso e a reconquista da cirurgia é mais lenta, e com mais restrições no tempo de retorno para as atividades físicas.

– A paciente deve dormir de barriga para cima, nunca de bruços ou de lado, utilizando um ou dois travesseiros para elevar o tórax discretamente. Só será permitido dormir de lado e de bruços após seis semanas e três meses, respectivamente.

A colocação do implante de silicone pode ser executada basicamente através de três vias de acesso: por uma pequena incisão no sulco abaixo das mamas, pela junção entre a aréola e a pele da mama ou pela axila. Cada uma destas vias de acesso tem suas vantagens e desvantagens, que devem ser discutidas cuidadosamente entre médico e paciente. Existe ainda uma via pouco abordada no Brasil que é através do umbigo; pelo fato de não poder controlar muito bem o hemorragias e o espaço do implante, nossos médicos dificilmente optam por essa via de acesso.

Clique aqui: Saiba o tempo de recuperação após a cirurgia de silicone



A escolha final dependerá da preferência da paciente, do formato das mamas e da recomendação do cirurgião. Independente da técnica, procura-se posicionar as incisões estratégias visando tornar as cicatrizes finais praticamente imperceptíveis..?É comum pacientes desejarem tamanhos de implantes seguindo tendências de momento usadas por celebridades mas isso não deve ser feito pois cada caso tem sua característica e deve ser avaliado de maneira individual?, alerta o cirurgião Marcelo Wulkan, doutorado pela USP e membro titular da da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

O material de que é feito a prótese de silicone também interfere nos resultados da cirurgia. é indicada a utilização de um implante de gel de silicone coesivo ou altamente coesivo, material que confere naturalidade ao resultado final por ter regularidade muito parecida com o tecido mamário”.

Existem ainda as próteses feitas com solução salina, no entanto, a recomendados desse tipo de implante é menor devido à maior incidência de vazamentos. Esses implantes com soro fisiológico podem ser usados temporariamente em reconstrução de mama para ir ?dilatando? a pele e moldando a nova mama; posteriormente, pode-se trocar esse implante por outro de silicone coesivo.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial