O TRASPLANTE CAPILAR

O TRASPLANTE CAPILAR

Transplantação de cabelos, Estabelecimento capilar, Microtransplante capilar, Intervenção da calvície

A calvície ou alopécia androgenética é uma requisito que influencia mais homens e está relacionada aos hormônios sexuais, especialmente, a testosterona. O transplantação capilar é o tratamento cirúrgico da calvície. Nesta intervenção plástica, fios de cabelo, frequentemente da parte assento do couro cabeludo (setor doadora), são transplantados em setor no qual houve redução completo ou parcial dos cabelos (setor receptora).
A moderna intervenção da calvície visa à aquisição de um resultado mais estético e natural. O temível fachada do “cabelo de boneca” não acontece mais. Dentre os afazeres tomados, podemos aludir:

(1) consumo de linhas quebradas no delineamento da parte antecedente da setor calva,

(2) complementação capilar das exigências laterais da cabeça,

(3) consumo de unidades foliculares finas e delicadas,

(4) abastecimento das unidades foliculares bem próximas umas das outras na série antecedente da setor calva,

(5) preservação da direção natural do desenvolvimento dos fios.

Este técnica requer equipe especializada, que se divide em um grupo para dissecar as unidades foliculares e outro para implantá-las.

Ao longo a intervenção, são transplantados milhares de fios de cabelo. O cabelo empregado é constantemente do próprio paciente. Em calvícies mais extensas é improvável a restauração capilar completa, uma vez que o algarismo de unidades foliculares obtidas da setor doadora é deficiente para abafar toda a setor calva. No entanto, a abastecimento de maneira estratégica das unidades foliculares associada a novas sessões de transplantação capilar (mínimo de 8 meses entre uma intervenção e outra) auxiliam a assistir um resultado mais aceitável.

Transplantação capilar: FUT x FUE A técnica Strip ou FUT (Follicular Unit Transplantation) é a técnica clássica de transplantação capilar e continua sendo a mais realizada. Outra técnica usada para o transplantação capilar é a FUE (Follicular Unit Extraction), na qual não é realizada incisão para remover atadura de fazenda na setor doadora. Desta maneira, não há cesura claro no couro cabeludo. Na FUE, as unidades foliculares (UFs) são removidas por meio de pequenas incisões arredondas em volta destas (mais baixos que 1mm). Neste processamento, o respeito à direção do surgimento dos fios é básico para evitar sua transecção.

A FUE se subdivide em simples e robótica (Robotic FUE). Na FUE simples, as unidades foliculares (UFs) são extraídas por meio de um micropunch (aparelho com jovem chapa redonda cortante), já na FUE robótica, estas unidades são retiradas por uma equipamento constituída por um bravura robótico, comandada por sofisticado aplicativo. Neste caso, um programa acontece por meio de do laser um “scanning” da setor doadora do paciente e identifica as UFs a serem extraídas. Cabe ao médico acelerar o processamento de ablação destas unidades, realizada pela equipamento. O andróide precisa ser calibrado e frequentemente supervisionado. Tanto na FUE simples, quanto na FUE robótica, as unidades foliculares extraídas são separadas e transplantadas como na técnica clássica, ou seja, pelo cirurgião com o óbolo de sua equipe.

FUT (técnica clássica) FUE simples FUE robótica DURAÇÃO DA INTERVENÇÃO Menor tempo. Maior tempo. Tempo agenciador.

FIGURA DO CIRURGIÃO

Básico. Básico. Básico.

NECESSIDADE DE ACHANAR O CABELO Não. Efetivamente. Efetivamente.

NECESSIDADE DE PONTOS

Efetivamente, para encerrar a setor doadora. Não. Não.

ÁREAS DOADORAS DE UFS

Cachaço e laterais do couro cabeludo. Qualquer setor com UFs. Cachaço (única região usada).

ABLAÇÃO DAS UFS

Realizada pelo cirurgião e sua equipe. Realizada pelo cirurgião e sua equipe. Realizada pelo andróide (favorece o trabalho do cirurgião).

IMPLANTAÇÃO DAS UFS

Realizada pelo cirurgião. Realizada pelo cirurgião. Realizada pelo cirurgião.

QUALIDADE DAS UFS

Depende do treinamento do cirurgião e de sua equipe. Depende do treinamento do cirurgião e de sua equipe. Depende da calibragem do andróide e do treinamento do cirurgião e de sua equipe. PORÇÃO DAS UFS POR

INTERVENÇÃO

Mais UFs por intervenção. Pouco UFs por intervenção. Algarismo agenciador de UFs por intervenção.

CESURA

Com cesura claro na setor doadora, que geralmente encontra-se camuflada pelos cabelos. Sem cesura aparente na setor doadora, inclusive com o cabelo raspado. Sem cesura aparente na setor doadora, inclusive com o cabelo raspado. ESFORÇO Menor esforço das 3 técnicas. Esforço agenciador. Maior esforço das 3 técnicas.

CAPACIDADE DE NOVAS CIRURGIAS

Pode ser realizada até 3 ou 4 vezes e depende da flexibilidade da setor doadora. Pode ser realizada diversas vezes e não depende da flexibilidade da setor doadora. Pode ser realizada diversas vezes e não depende da flexibilidade da setor doadora.

MAIORES LIMITAÇÕES

Figura de cesura na setor doadora e submissão da flexibilidade desta setor. Maior tempo cirúrgico e aquisição de pouco UFs por intervenção. Submissão da calibragem do andróide e esforço bastante viaduto.

USO DA TÉCNICA

É a mais usada em nossa cotidiano. É pouco usada em nossa cotidiano. Também não está incluída em nossa cotidiano.

Técnica cirúrgica

• Marcação de longa atadura de couro cabeludo na região assento da cabeça (fuso com cacuri de 1 a 1,5cm de largura, podendo ir de uma aba a outra), repleta de fios de cabelo mais resistentes, que não caem com o tempo (setor doadora). • Marcação da setor calva que receberá os fios de cabelo (setor receptora).

• Antissepsia + anestesia.

• Incisão + ressecção da atadura de couro cabeludo.

• Reconsideração do sangramento e fecho da setor doadora.

• Dissecção cuidadosa sob ficção de lentes de crescimento ou de microscópios para a afastamento de enxertos de fios com suas raízes intactas (unidades foliculares).

• Transplantação das unidades foliculares amarrilho por amarrilho na setor desejada (setor receptora), por meio de da uso de agulhas acopladas a um bisturi (transplantação amarrilho a amarrilho).

• Na técnica FUE, as unidades foliculares são removidas da setor doadora por meio de pequenas incisões arredondas em volta destas (mais baixos que 1mm), sem afastamento de atadura de couro cabeludo. Em alguns casos, pode-se relacionar a técnica FUT com a FUE.

MELHORES SITE DE CIRURGIA PLÁSTICA CAPILAR:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial