Splint nasal para que serve

Todo o técnica é executado por dentro do nariz, de preferência com uma câmera denominada endoscópio, de maneira que o paciente não apresenta cicatrizes no pós-operatório.O septo nasal é recoberto pela mucosa nasal que é incisada e afastada de forma que possamos ter acesso especialmente à parte cartilaginosa ( antepositivo ) e óssea ( pospositivo ) do septo nasal.

Uma vez visualizada a tortuosidade do septo nasal ( chave de septo) responsável pela percepção de nariz tampado, a mesma é removida com via adequados. A mucosa nasal é de novo aproximada e suturada com fios que são absorvidos pelo próprio corpo.

Dessa maneira, os pontos dados ficam na parte interna do nariz, não sendo vistos por mais pessoas, e caem sozinhos em quase 2 semanas.

Frequentemente nossa Equipe Médica NÃO utiliza tampões dentro do nariz, o que pleito um maior conforto pós-operatório ao paciente.

Obs: No momento em que a intervenção de revisão do septo é realizada em conjunto com a intervenção na rinite, é colocada uma fina gilete de silicone (“splint nasal ”) entre o septo nasal e os cornetos nasais para que não haja aglutinação entre essas estruturas no pós-operatório. O “splint nasal ” NÃO é um tampão nasal ; e o paciente não cheira que o mesmo se encontra dentro do nariz.

Pós-operatório: DOR:

Frequentemente o paciente não sente dor ; e no momento em que sente, refere uma percepção de “ afinco ” no primeiro dia (por pleito da luz do endoscópio) ou uma percepção de congestão facial por acúmulo de sangue ao longo a intervenção, que benefício com a limpeza nasal com saída fisiológica em fartura.


SANGRAMENTO:

Pode acontecer um sangramento rápido pelo nariz, durante do dia da intervenção, que desaparece no dia posterior ; e que é combinado com compressas frias em rosto e preservação de ar frio no quarto do paciente, enquanto o mesmo está internado.


NARIZ TAMPADO:

Se a intervenção é exclusivamente a revisão do chave de septo (septoplastia), frequentemente o paciente não se dissabor de nariz tampado no pós-operatório. Caso haja associação com a intervenção na rinite (turbinectomia), o paciente pode entregar congestão nasal na primeira semana, que benefício com a limpeza nasal com saída fisiológica em fartura.

Saiba Mais: Confira Aqui: Retirada do Splinter Nasal 


REFEIÇÃO:

No primeiro dia de intervenção sugerimos refeição mais fria. Depois de esse tempo não há restrições quanto à refeição.


ALTA HOSPITALAR:

O paciente pode ganhar alta no mesmo dia, porém nossa Equipe Médica prefere permitir alta no dia posterior ; dessa maneira, esse irrelevante sangramento que pode acontecer não pleito impaciência no paciente e sua família, e a enfermagem treinada do Hospital tranqüiliza a todos com seus afazeres.


ATIVIDADES FÍSICAS:

Na primeira semana, pedimos ao paciente que evite a prática de esportes, atividades que demandam força físico, assim como a descrição ao luz.


RETORNO AO CONSULTÓRIO MÉDICO:

O primeiro retorno acontece em 7 a 10 dias. O “splint nasal ”, no momento em que presente, é retirado neste hora, de maneira indolor, no próprio consultório.


RETORNO AO TRABALHO:

Como não há quadro de dor, o paciente pode voltar às suas atividades de sala depressa. Não obstante, devemos constantemente advertir que uma intervenção foi feita e cuidar de si próprio neste hora, é bastante fundamental.

FONTE: https://www.r7.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *