Tipos de pinos para implantes dentários

Esse procedimento consiste na acomodação de um ou de mais parafusos de titânio no osso, também chamadas de implantes osseointegrados. Essa tecnica compreende a colocação cirúrgica de um sistema de parafusos ou cilindros no tecido ósseo do paciente. Essas peças resistentes é que desempenharão o papel da raiz dos dentes.

Após o período da osseointegração — formação óssea ao redor das peças — esses implantes serão base para a peça mais correta às necessidades da pessoa. Isso devolve não apenas a visão mas a funções da boca do paciente.

É efetivo ressaltar, que o titânio utilizado é um material seguro e bionerte. Ou seja, é biocompatível e não causa nenhum incomodo ou reação indesejada ao paciente. Aqui reunimos algumas dicas importantes sobre implantes dentários.

Nos implantes, os pinos de titânio são estabelecidas ao osso maxilar ou mandibular (ou seja, no tecido ósseo) e funcionam como apoios para as próteses. Para compreender, qual é o papel desses pinos, basta pensar que eles atuam como uma espécie de “raiz artificial”, na qual a prótese será rosqueada, ficando firme.



Quando esse procedimento é necessário?



Os implantes dentários são recomendada para pacientes que, por diversos motivos, perderam um ou vários dentes, seja por retirada ou mesmo perda por abalo ou doença periodontal. Em casos de perda total – em que os pacientes perderam todos os dentes da boca – os implantes também são realizados.

Muitas pessoas desejam que os implantes estão ligados apenas à estética, mas isso não é verdade. Extrair um dente e deixar um “buraco” em seu lugar é maléfico para a saúde bucal e pode trazer muitos problemas para o paciente, prejudicando, Até mesmo, seus dentes saudáveis. Entre algumas das consequências sofridas em situações assim, estão:

Os processos para colocação de implantes dentários são muito parecidos, ainda que possam variar os materiais utilizados para fabricar as próteses ou o tempo de espera para total cicatrização (saiba alguns mitos e verdades sobre os implantes).

Implante único: o implante dentário unitário fixo, como chamado pelos odontologos é, hoje, o mais comum. Nesse procedimento, é fixado um pino de titânio no lugar do dente perdido e, após a reconquista (que, como já dissemos, dura entre 3 e 6 meses), é induzida a prótese. Como o nome já diz, esse procedimento atua em UM dente de cada vez. Nesse procedimento, pode acontecer a colocação do implante dentário logo após a retirada do dente. Ou seja, logo depois de extrair o dente, é fixado o pino de titânio. Casos assim nem sempre são os mais indicados, mas também são bastante comuns.



Implante duplo: esse tipo de implante dentário é indicado para os casos em que exista a ausência de três dentes vizinhos. O que se faz aqui é bastante parecido à ideia das antigas pontes: são fixados dois pinos, que servirão como raízes artificiais para três dentes. Para isso, a coroa intermediária (que está sobre a gengiva) é encaixada nas duas próteses, formando uma ponte entre os dois dentes com pinos e o do meio.

Implantes duplos para próteses totais (ou dentaduras): essa modalidade de implante é aplicada em casos nos quais o paciente perdeu todos os dentes no maxilar superior, inferior ou em ambos. Nesse procedimento, são colocados dois implantes para fixar toda a prótese dentária, que fica sob a gengiva. Em algumas situações, quando o paciente perdeu a maioria dos dentes, é comum extrair os que ficaram e substituí-los pela prótese.

Implantes quádruplos para próteses totais (ou dentaduras): bastante parecida com uma ao implante anterior, o que esse procedimento faz é utilizar quatro pinos para fixar toda a prótese. Nessas casos, as próteses são compostas por 12 dentes feitos de cerâmica ou material metal-acrílico.

Implantes sêxtuplos para próteses totais (ou dentaduras): seguindo a mesma ideia das duas diferentes linguagens artisticas anteriores, esse procedimento utiliza seis pinos de titânio para fixar a prótese. Geralmente, esse tipo de implante é indicado quando ocorreu uma perda total de dentes do maxilar excedente que demanda uma fixação maior que o maxilar inferior.

Acesse Site: Saiba mais sobre Implantes Dentários

Ao contrário do que muita gente pensa, a realização de implantes dentários não é um procedimento complexo, tampouco doído Para realizar o implante, são necessarios duas etapas: a cirúrgica e a de instalação da prótese. Na primeira, acontece a fixação dos pinos de titânio no tecido ósseo. Na segunda, que é feita após a cicatrização e regeneração desse tecido ósseo, é colocada a prótese definitiva, que substitui o dente natural. 

O implante dentário já não é mais um procedimento complicado mas, ainda assim, como toda cirurgia (seja grande ou pequena), é bom ter alguns cuidados para garantir que a pós-cirurgia seja a mais tranquila possível.

Sempre é bom lembrar que os riscos são muito pequenos em implantes dentários e que os pacientes costumam não ter problemas após o procedimento. Alguns profissionais receitam antibióticos, que devem começar a ser tomados alguns dias antes do implante. Isso, embora não seja uma regra, é uma prática muito comum, utilizada, por exemplo, em extrações de sisos. Aqui reunimos mais dicas importantes sobre implante dentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial