TROMBOSE VENOSA PROFUNDA


A trombose, conhecida como Trombose Venosa Profunda (TVP), é a informação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias localizadas da parte inferior do corpo,nas pernas. Os principais sintomas são dores e inchaço na pernas, queimação e mudança na cor da pele.

Tipos de trombose (aguda e crônica), a doença também pode se manifestar de diferentes formas: trombose hemorroidaria, trombose cerebral e trombose arterial. Trombose hemorroidaria Quando uma hemorroida tem a formação aguda de trombos, chamamos isso de uma trombose hemorroidaria.

Esse quadro implica no desenvolvimento de um nódulo com edema e de coloração arroxeada na margem anal. É frequentemente acompanhado de dor severa. Saiba mais sobre a trombose hemorroidaria neste artigo. Trombose arterial Além da trombose venosa profunda, existem também trombos que se formam nas artérias, bloqueando totalmente este vaso e causando a chamada trombose arterial .

Trombose cerebral Quando existe uma obstrução total das artérias do cérebro, chamamos de acidente vascular cerebral, também conhecido pela sigla AVC.

Diferença entre trombose e tromboflebite

A tromboflebite (CID 10 – I80) consiste na inflamação deste coágulo formado quando há uma trombose e tem sintomas como calor na região, vermelhidão e varizes ou veias dilatadas. O tratamento para a tromboflebite é baseado em anti-inflamatórios, analgésicos, repouso e pomadas para alívio de dores.

Por sua vez, o tratamento da trombose (CID 10 – I82) é voltado ao uso de anticoagulantes e, raramente, cirurgia para retirar os trombos das veias. Tipos A trombose tem dois tipos, sendo classificada como aguda ou crônica.

Trombose aguda Inicialmente uma trombose pode ser considerada um evento agudo que muitas vezes o corpo mesmo utiliza de mecanismos para dissolvê-lo. Trombose crônica Durante o processo de dissolução do coágulo que é natural do corpo, podem ficar sequelas no interior das veias, destruindo a estrutura das válvulas. É a partir desse momento que a doença se torna crônica.

Causas Quais as causas da trombose

A trombose ocorre quando há formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias grandes das pernas e das coxas. Esse coágulo bloqueia o fluxo de sangue e causa inchaço e dor na região. O problema maior é quando um coágulo se desprende e se movimenta na corrente sanguínea, em um processo chamado de embolia. Uma embolia pode ficar presa no cérebro, nos pulmões, no coração ou em outra área, levando a lesões graves.

A trombose ocorre quando há formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias grandes das pernas e das coxas. Esse coágulo bloqueia o fluxo de sangue e causa inchaço e dor na região. O problema maior é quando um coágulo se desprende e se movimenta na corrente sanguínea, em um processo chamado de embolia.

Uma embolia pode ficar presa no cérebro, nos pulmões, no coração ou em outra área, levando a lesões graves. Diferenças entre coagulação normal, trombose e embolia Diferenças entre coagulação normal, trombose Trombose no avião Um medo muito comum das pessoas é o de trombose em viagens de avião.

Não à toa a trombose venosa profunda (TVP) é conhecida por muitos como “trombose de viajante”. Realmente um voo é um momento em que o risco de trombose aumenta, já que a pessoa fica sem mover as pernas, o que prejudica o retorno do sangue venoso para o coração. Isso ocorre principalmente em viagens longas e sem escalas ou conexões. O problema maior é em pessoas que têm alguma predisposição a ter trombose e estão viajando de avião.

Para evitar a trombose em viagens de avião, algumas dicas são: Vista roupas confortáveis e mais largas, que não causem compressão. Use meias elásticas medicinais, prescritas por médico e adequadamente calçadas, que ajudam no retorno venoso. Tome bastante líquido, principalmente água (além de hidratar, também motiva a pessoa a se levantar para ir ao banheiro). Evite ficar mais de duas horas parado na mesma posição (ande pelo corredor quando permitido, vá ao banheiro).

Quando possível, levante-se, movimente e alongue as pernas. Fatores de risco Existem alguns fatores que são considerados de risco para a ocorrência de trombose, como: Pílula anticoncepcional A pílula anticoncepcional exerce efeito sobre a coagulação sanguínea e alguns estudos mostram haver risco quatro vezes maior para o desenvolvimento de trombose em mulheres que utilizam anticoncepcionais em relação às não usuárias.

Esse risco é maior no primeiro ano de uso do contraceptivo e está aumentado em tabagistas que fumam acima de dez cigarros por dia.Saiba mais sobre esta relação neste artigo. Ficar sentado Permanecer sentado por muito tempo, principalmente quando se está dirigindo ou dentro de um avião, eleva as chances de trombose.

Quando as pernas ficam na mesma posição por um tempo prolongado, os músculos da panturrilha não se contraem, o que dificulta a circulação de sangue e leva à doença. Passar muito tempo deitado ou em repouso absoluto, comum em caso de internações hospitalares, por exemplo, também facilitam a ocorrência de trombose venosa profunda.

Hereditariedade Algumas famílias carregam no sangue uma desordem que facilita a coagulação sanguínea, chamada de hipercoagulabilidade. Essa hereditariedade não costuma ser uma ameaça constante para a saúde, mas se combinada com outro fator de risco para a trombose, é bom ficar de olho e manter acompanhamento médico constante.

Machucados Injúrias nas veias e cirurgias podem dificultar o fluxo sanguíneo, o que aumenta as chances de coágulo. A anestesia que é geralmente aplicada antes de procedimentos cirúrgicos dilata as veias e facilita a coagulação. Gravidez Trombose e gravidez são dois termos que costumam assustar as futuras mamães. Isso porque a gravidez aumenta a pressão exercida sobre as veias da pélvis e das pernas, mas isso só se torna um problema quando a mulher possui suscetibilidade genética para a coagulação sanguínea.

Saiba Mais: Acesse AQUI: A Trombose Venosa Profunda , condição conhecida popularmente apenas por trombose

Por isso, prossiga com o acompanhamento médico neste período. Quadros de saúde específicos Alguns tipos de câncer e tratamentos aumentam a quantidade de substâncias no sangue que facilitam a coagulação. Infecções gastrointestinais, como colites ulcerosas, também são consideradas um fator de risco.

Atenção para a insuficiência cardíaca. Um coração fraco não bomba a mesma quantidade de sangue que um coração saudável costuma bombear, o que também aumenta os riscos de coagulação.

Marcapasso e cateter nas veias podem causar irritação nos vasos sanguíneos e diminuir o fluxo do sangue. Glóbulos sanguíneos em excesso sendo produzidos pela medula óssea (policitemia vera) tornam o sangue mais denso e lento do que o normal, o que facilita a formação de coágulos.

Obesidade A obesidade é um sério fator de risco para a trombose, pois o excesso de peso e o acúmulo de gorduras exercem ainda mais pressão sobre as veias, dificultando a passagem do sangue, principalmente nos vasos da pélvis e das pernas.

FONTE: https://www.r7.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial